Detesto que me roubem a solidão sem me dar em troca verdadeiramente companhia. (Friedrich Nietzsche).

quinta-feira, 29 de março de 2012

A gente não quer só comida...


Eu sei que o que vou dizer aqui pode afetar algumas pessoas, pois é um assunto até delicado, considerando que ninguém gosta de ouvir sermões sobre tal assunto. Minha intenção está longe de dar sermões ou lições. Só quero manifestar meu pensamento a respeito. Pensamento esse que muita gente pode achar que é frescura. Espero que não me achem antipática, ou "fresca", mas se tenho este espaço, vou usá-lo pra isso também, pra dizer o que penso.
O tema nada  tem de poético. 

Estou sem  carro há um bom tempo, ando de metrô e ônibus. E vejo nesses transportes públicos que as pessoas perderam completamente a noção de  comedimento, higiene e inconveniência.  Vejo gente comendo salgadinhos de pacote, os porcaritos da vida, com as mãos que acabaram de segurar em corremãos de escadas, em barras do metro e dos ônibus, e em dinheiro. Vejo gente comendo batata frita na hora (vendidas nos terminais de ônibus) com bastante queijo ralado, e catchup, e sei lá mais o que por cima. Só de ver já passo mal! Agora, imaginem-se dentro de um ônibus ou vagão de metrô, em horário de pico, com alguém do seu lado, ou atrás, ou na frente, ou mesmo lá no fundo, com um pacote de salgadinho de queijo ou de cebola, ou uma bandeja de isopor de  batata frita em óleo diesel (o óleo é tão escuro que parece óleo de caminhão...), com queijo ralado e catchup, imaginem o cheiro disso tudo ali dentro. Sinto meu pobre fígado se contorcer!
Já vi um homem entrando no ônibus com uma pizza, uma pizza inteira, na caixa, e que a pizza era de calabresa com cebola, disso ninguém alí teve dúvidas. Vi outro entrando com um espetinho de carne, cheio de farofa. Também já vi uma garota comendo um sanduíche do McDonald's dentro do cinema. Dentro do cinema!

Uma amiga pediatra, que trabalha  em posto de saúde, me disse que para examinar a garganta das crianças tem que pedir para as mães irem ao banheiro lavar a boca dos filhos, porque as bocas estão tão cheias de farelo de salgadinho (que eles devoram  na espera) que é impossível ver qualquer coisa lá dentro.
Coisa comum de se ver também é adolescentes entornando uma garrafa de dois litros de coca cola. E depois vem um fatídico e sonoro arroto.

E pegando o gancho disso tudo, muito se tem falado em obesidade e nas doenças que vêm no pacote, mas quantos realmente se preocupam com isso? Quem liga pra gordura trans? Que, por não ser uma gordura natural, só é processada em parte pelo organismo, e o resto fica lá, acumulando e entupindo. Quem se preocupa com gorduras saturadas ou com altos teores de sódio? Quem se dá ao trabalho de ler a tabela nutricional, que, aliás, é obrigatória nas embalagens? E o exagero de açúcar? E quando é acrescido do exagero de gordura é ainda mais maléfico. Um dia vi um homem no restaurante pedindo uma feijoada e uma fanta uva. Como alguém consegue comer feijoada tomando fanta uva eu não sei. Mas, enfim... Detalhe: ele era obeso..
Um sanduíche ou batata do McDonald's podem permanecer inalterados por um ano ou mais, mesmo sem refrigeração. É só fazer o teste. E o povo come isso. Imaginem só! É gostoso? É. Mas, convenhamos, quem tem amor à sua saúde e à vida não pode se "alimentar"disso, substituir uma refeição por um lanche, ainda mais dessas redes. Comida saudável tem aqui, e muita. A ironia é que o lixo do Brasil é  o mais nutritivo do mundo. Todos os dias joga-se toneladas de alimento no lixo, frutas, verduras e legumes.

Desafortunadamente somos um país que não sabe administrar seu dinheiro e não sabe se alimentar. Os índices de inadimplência e de obesidade estão aí para mostrar.  Essa  política da comida é no mínimo equivocada, pra não dizer populista. O brasileiro nunca comeu tanto, mas nunca comeu tão mal. As estatíscas apontam um índice de obesidade maior do que o de desnutrição.
Vivo dizendo que deveriam ser instituídas duas  matérias obrigatórias nas escolas públicas e privadas: Educação Financeira e Educação Alimentar. Do dinheiro a gente fala em outra hora. Educação Alimentar já!  Porque povo bem nutrido é povo  saudável, procura menos o sistema público de saúde, que assim pode melhorar muito.

Pensamento exposto, me resta comer (direito) e rezar, porque amar tá difícil!...























quarta-feira, 28 de março de 2012

Despedida

Silêncio por Millôr Fernandes.


"Millôr e as Palavras"
"A ocasião em que a inteligência do homem mais cresce, sua bondade alcança limites insuspeitados e seu caráter uma pureza inimaginável é nas primeiras vinte e quatro horas depois da sua morte."
Millôr Fernandes



sexta-feira, 23 de março de 2012

Cadeiras na calçada


Se fosse pedir, neste momento, seria para estar bem longe da realidade. Num lugar chamado qualquer coisa da serra, numa cidadezinha provinciana, com pracinha e coreto, com casas de varanda e samambaias, com campo de bocha para os vovôs, com bordados e bolos das vovós, cinema com lanterninha para os casais, e quermesse na frente da igreja. Com vizinhos amigos, com pessoas sorridentes dizendo bom dia, ou boa tarde, ou boa noite, na rua. Com cadeiras na calçada, à noite. Com gente que se importa.

É preciso cuidado com o que se pede...  Saio da divagação. A vida não é novela das seis.

terça-feira, 20 de março de 2012

Prioridades





Estranhou o fato da garagem estar fechada, ele sempre a deixava aberta para ela. Deixou o carro na rua e entrou. Bolsa, pasta e celular na mão. 'Querido, pode por o carro na garagem pra mim?' Silêncio. A casa toda estava em silêncio, e então percebeu que apenas uma luz lá em cima estava acesa. Subiu, não havia ninguém.  Quarto vazio, cama vazia. Armários vazios... Olhou a mensagem no celular. Reunião de última hora no escritório, pra ontem!
'Aquele cliente!...'
Desceu as escadas e saiu apressada. Arrancou com tudo, cantou pneus, dirigia como doida.  'Depressa! Depressa! Não posso atrasar!'
Teve tempo ainda de ouvir a sirene, de perceber uma correria, umas luzes no teto enquanto era empurrada às pressas, deitada em algum lugar.
'Vamos, vamos! Seja o que for que estejam fazendo comigo, façam logo! Eu tenho uma reunião!'

Então, uma dor, um cansaço, uma solidão, uma escuridão que se aproximava.  Fechou os olhos.   

No celular, uma outra mensagem, não lida.
 






quinta-feira, 15 de março de 2012

Enquanto isso, na Suíça ...


Enquanto aqui, o respeito a um cidadão honesto é zero, enquanto aqui, cidadãos não se respeitam entre si, e enquanto no mundo, pessoas sequer respeitam a integridade, a dignidade, e a privacidade alheia, ou vivem a maldar, caluniar e difamar os outros, na Suíça...
 


13.03.2012
18h32m
TV exibe foto de 'procura-se' com borrão no rosto do suspeito
Se você conhece o homem da foto, por favor entre em contato com a polícia.

Complicado...

Uma emissora de TV, da Suíça exibiu a foto de um homem acusado de assalto a banco, mas se recusou a mostrar o rosto dele...
A foto havia sido divulgada pela polícia.
O canal TSR  alegou que o borrão foi usado para "proteger a privacidade do suspeito"... 


??!!





http://oglobo.globo.com/blogs

quarta-feira, 14 de março de 2012

Nascida em 14 de março

"Sou sempre eu mesma,
  mas com certeza não serei a mesma
  sempre." (Clarice Lispector)




Elas chegaram...

Vêm todos os anos
Todos os anos...
Me surpreendem

Me pegam à  tarde
Me pegam assim...
Não corro

Das Águas de Março

Meus passos
Molhados
Me levam
Pra casa
Onde posso vê-las
Da janela

Todas elas

Tão belas
Tão elas
Tão lúcidas

Translúcidas

As gotas da chuva

Sou um pouco elas
Um pingo pingando
Uma conta
Um conto...

Um pouco sozinho

Líquida
Incerta
Das Águas

Regida por Netuno
Filha de Yemanjá

Não sei meu ascendente

Sou de Hoje
Sou do Dia
da Poesia

Mais um Março
Faço hoje

Volto à minha nascente
Cumpro a promessa
Até o fim do caminho






(Alguns) nascidos a 14 de março

http://1.bp.blogspot.com/_2OWptFjzxt8/Sp5v7e1vwbI/AAAAAAAAAZI/TVYqY9dOGYM/s400/GISELLE+POETISA+-+CASTRO+ALVES
Castro Alves, poeta brasileiro
Em homenagem ao nascimento do poeta baiano Antonio Frederico de Castro Alves, foi instituído o dia 14 de março como Dia Nacional da Poesia.

     
     
     
http://www.scarlet.com.br/leiloes/clodomiro.jpg
- Clodomiro Amazonas, pintor e restaurador brasileiro

- Abdias do Nascimento, político e ativista social brasileiro
- Carlos Heitor Cony, escritor e jornalista brasileiro
 - Lúcio Mauro, ator brasileiro


http://www.nordesteweb.com/not07_0907/20070903Glauber_PT.jpg
Glauber Rocha, cineasta brasileiro

- Billy Crystal , ator e comediante americano
- Karl Marx, filósofo e teórico político alemão  
- Ismael Silva, cantor e compositor brasileiro 
- Ernano do Amaral Peixoto, militar e político brasileiro 
- George Eastman, fotógrafo americano fundador da Kodak



Fonte: oficinadegerencia.blogspot.com

segunda-feira, 12 de março de 2012

Ontem




Noite passada vi  o céu iluminado
E vi a  luz que o iluminava
Vinha da lua

E estava lindo o céu assim
iluminado

Era o mesmo céu
que já foi seu
e meu
Era o mesmo azul
de veludo escuro
que nos cobria
e acobertava

E aquela estrela solitária
que para nós piscava
a cada toque mais ousado...

E me lembrei
que a lua
Tão grande e grandiosa lua
Lua Cheia de si
te namorava
E te vi dela enamorado
E eu, enciumada
te vi subir
pelos raios enluarados
E se deitar na via láctea
As estrelas com seus mimos
A te rodear
E lua a te beijar
Com seus beijos de luar

Hoje não tens lua
Ela saiu para luar
A outros seduzir
Mas sozinho não estás
Mil estrelas te acompanham
Só, nunca estarás

Senti um frio de solidão
O sereno a cair
O mesmo céu já não me cobre
Aquela estrela que piscava
Lá ainda estava
Triste, apagada.

Agradeci a ela

Fechei a janela
Fui dormir



quinta-feira, 8 de março de 2012

Para o final do Dia Internacional da Mulher

O texto abaixo é de origem desconhecida, mas é muito conhecido por quem navega na internet. Não deixa de ser belo, e apropriado:


Código de Honra das Mulheres Celtas


“Ama teu homem e segue-o, mas somente se ambos representarem um para o outro o que a Deusa Mãe ensinou: amor, companheirismo e amizade.
Jamais permitas que algum homem te escravize. Tu nasceste livre para amar, e não para ser escrava.
Jamais permitas que o teu coração sofra em nome do amor. Amar é um ato de felicidade, por que sofrer?
Jamais permitas que teus olhos derramem lágrimas por alguém que nunca te fará sorrir.
Jamais permitas que o uso do teu próprio corpo seja cerceado. O corpo é a morada do espírito, por que mantê-lo aprisionado?
Jamais permitas que o teu nome seja pronunciado em vão por um homem cujo nome tu nem sequer sabes.
Jamais permitas que o teu tempo seja desperdiçado com alguém que nunca terá tempo para ti.
Jamais permitas ouvir gritos em teus ouvidos. O Amor é o único que pode falar mais alto.
Jamais permitas que paixões desenfreadas te transportem de um mundo real para outro que nunca existiu.
Jamais permitas que outros sonhos se misturem com os teus, fazendo-os virar um grande pesadelo.
Jamais acredites que alguém possa voltar quando nunca esteve presente.
Jamais permitas que teu útero gere um filho que nunca terá um pai.
Jamais permitas viver na dependência de um homem como se tu tivesses nascido inválida.
Jamais te ponhas linda a fim de esperar por um homem que não tem olhos para te admirar.
Jamais permitas que teus pés caminhem em direção a um homem que só vive fugindo de ti.
Jamais permitas que a dor, a tristeza, a solidão, o ódio, o ressentimento, o ciúme, o remorso e tudo aquilo que possa tirar o brilho dos teus olhos te dominem, fazendo arrefecer a força que existe em ti.
E, sobretudo, jamais permitas que tu mesma percas a dignidade de ser mulher.”




terça-feira, 6 de março de 2012

Sonhar


Eu tenho sonhos...

Sonhos de quem sonha
Acordado
Sonhos de sonhador
De quem vive de sonhos
E dos sonhos faz
A sua Vontade
Sonhos de quem nunca acorda
Para a realidade
Que realidade é  pedra
E sonhos são nuvens
Onde vive quem sonha

Eu tenho sonhos
Nem sempre bons
Que não deixam de ser sonhos
Por serem maus

Eu tenho um sonho

Nunca deixar de sonhar
Mesmo que riam
Aqueles que nunca sonharam
Aqueles que só sonham de noite
Que nem se lembram depois
Que em sonhos não voam
Com medo de despencar
Que sonham com amores
Se nem sabem sonhar.
E riem dos sonhadores
E pensam que sabem ver cores
E pensam que sentem as flores
Pensam que sabem amar

Eu tenho um sonho...









segunda-feira, 5 de março de 2012

Amigo Invisível




Não sou muito de falar de mim, ou de problemas que enfrento, ou coisas parecidas. Isso não é da minha natureza, até porque problemas todos têm. Mas o blog pode ser uma válvula de escape de vez em quando, uma maneira de exteriorizar parte do que vai em mim, porque sou um envólucro de tantas coisas...
Escrever também é uma maneira de exteriorizar emoções, só que postar emoções em blog não é como conversar com alguém, mas "alguém"  é um privilégio cada vez mais raro, é quase um luxo. Criei um blog como quem cria um "amigo invisível", o que para uma adulta  pode parecer bem esquisito.
Bem, hoje resolvi falar sobre mim.
Voltando à minha natureza, é da minha natureza ser emotiva, sensível, preocupada com coisas que passam totalmente batido para os outros, ser espontânea, calorosa, atenciosa, e carinhosa. Quanto a essa última, procuro me reservar mais, agora, procuro reprimir um pouco essa minha característica, pois algumas vezes fui mal interpretada.
Às vezes fico quieta, como ando por esses dias. Um acúmulo de mágoas e decepções me deixaram bem triste, e quando assim, fico quieta, não repasso.
Minha natureza é intensa, se sinto, sinto intensamente. Tudo o que gosto, tudo o que sinto, pra mim tem um peso enorme, peso no sentido de significado. E tudo que é intenso me atrai. Literatura, poesia, histórias, música, tempestades, vinho, dança, animais, especialmente lobos e felinos, mistérios... Intenso, não dramático. É possível confundir, no meu caso, intensidade com dramaticidade. Bom,  reconheço que sou meio, um pouquinho,  dramática, sim, e romântica, e  idealista, tudo o que não se deve ser nestes tempos. Pudera, sou pisciana. É, eu sei que nem todo pisciano é igual, existem as variáveis. Eu não acredito em horóscopo, mas vejo alguma relevância na astrologia, e sempre que leio sobre meu signo penso que lerei meu nome embaixo.
Sou do tipo transparente, e  não gosto nem um pouco de ser assim. Há situações em que eu gostaria de saber fingir , fingir que não estou nem aí,  fingir calma e tranquilidade, fingir que está tudo bem, fingir que não me importo, enfim, esse tipo de fingimento. Mas não, sou esta pamonha que entrega o ouro com mina e tudo num simples olhar. Por outro lado, se não sei fingir esse tipo de coisas, também não sei ser eu mesma sem ser dedicada, calorosa, atenciosa, grata. Não sei ser amiga sem amizade, não sei gostar sem dizer que gosto, não sei dizer que gosto sem gostar, não sei dizer que sinto o que não sinto, não sei dizer o que não sinto. Não elogio só pra agradar, não critico gratuitamente, não superestimo nem subestimo ninguém, não emito opiniões a respeito de alguém sem conhecer suas atitudes, não tomo partidos sem ouvir a 'outra versão',  e não dou palpites nos assuntos das pessoas, a não ser que me perguntem, e aí digo exatamente o que penso.
Sou também do tipo "esponja", se ficar por muito tempo em companhia de alguém desagradável, de energia ruim, ou se ficar muito tempo em um ambiente de energia ruim, me sinto mal, e se ficar ouvindo coisas ruins, sobre crimes, tragédias, crueldades, ou se vir um filme muito "pesado", "pra baixo", aí fico pior, e demoro uns dias para me recuperar totalmente. Pra quem vive neste mundo, ser assim é péssimo.
Apesar de tanta sensibilidade, sou forte, já passei por muitas coisas desde a infância,  e tenho enfrentado muitos problemas sozinha, pois como eu disse no início, problemas todos têm.  Luto o tanto que for preciso pelo que quero, mas respeito meus limites, embora às vezes eu mesma me surpreenda...
Meu pai costumava dizer: "eu confio desconfiando".  Praticamente cresci ouvindo isso, e mesmo assim fui de muito boa fé. Hoje, prezo muito a coerência entre palavra e atitude,  penso que as duas devem andar juntas, e que as atitudes têm muito mais a dizer do que as palavras. Presto muita atenção nisso. Gosto da lógica das coisas, mas penso que nem tudo tem lógica, e, a meu ver, a coerência é mais importante que a lógica.
Sou bem humorada, gosto de gente bem humorada, gosto de rir, e sou da Paz, detesto discussões, brigas, desentendimentos, gosto das conversas. Às vezes prefiro me calar a discutir por bobagens, ou a manter discussões que não vão resolver nada. Pago para evitar uma discussão, mas se for inevitável, discuto sim, e tenho retórica.
Custa muito, muito mesmo, mas saio do sério. Felizmente, foram poucas as pessoas a me tirarem do sério, até hoje.
Há coisas que pouco me importam,  e há aquelas que pra mim são de uma importância maior talvez do que elas próprias.  Me importo muito quando alguém de quem eu gosto me magoa,  me importo ainda mais quando magoo alguém, mesmo sem querer.  Me importo até quando alguém aqui no blog deixa de me seguir. Não exatamente por ter deixado de seguir, ou de comentar, mas me importo com o motivo, ou melhor, por não saber o motivo. Se o motivo é apenas desinteresse, tudo bem, são direitos, mas se eu disse alguma coisa errada, gostaria de saber, até para me desculpar.
Pois é, sou assim, uma pamonha que se importa. O bom disso, bom pra mim, claro, é que nunca guardo rancor. Posso carregar algumas mágoas, confesso, mas nada que um pedido de desculpas não resolva e as extermine, desde que não haja reincidências.
E como eu também erro, obviamente, peço desculpas, peço perdão, e jamais volto a cometer os mesmos erros. Porque considero uma falha de caráter pedir perdão e persistir no erro.
No amor, creio que não sei amar, porque dizem que o amor verdadeiro é incondicional, e o meu não é. Me entrego demais, sou Mulher de verdade, mas há uma condição, sim,  para que eu me entregue: Respeito - para comigo como pessoa, como ser humano e como mulher. E da mesma forma que quero respeito, sei respeitar. Sou ciumenta também, bastante. Isso é outra coisa que detesto em mim. Porém, não sou daquelas que têm ciúme até da sombra, e só exteriorizo meu ciúme se houver  motivo. Essa é uma das coisas que faz do Respeito algo fundamental.
Não morro de amores pela  Humanidade, sou pequena demais pra isso, na verdade, tenho até um certo desprezo, sou mais os animais. Apesar disso, não sou desprovida de solidariedade. Procuro sempre ajudar as pessoas naquilo que posso. Respeito o ser humano, desde que humano, até porque eu sou humana, e penso que não se deve esperar, muito menos exigir, excelência de ninguém, afinal, ninguém  tem excelência para oferecer, e cada um tem critérios próprios para estabelecer sua "excelência". Quando digo que desprezo a Humanidade, é pela maldade, pela crueldade, pela hipocrisia, por todos os  horrores deste mundo.
Estou muito longe de ser um poço de virtudes, não me julgo nenhum exemplo, mas também não sou um poço de defeitos, muito do que eu disse aqui não é qualidade ou defeito, são meras características de personalidade. Não sou dona de nenhuma verdade, imagine! A Verdade nem tem dono. As verdades a gente conhece e aprende vivendo, e nem sempre aprende de forma agradável, ou indolor. E essa é uma das verdades que eu aprendi. Também aprendi que amor falado nem sempre  é amor sentido, que amor bradado aos quatro cantos nem sempre é amor no particular, e que amigo, visível ou invisível, pode não ser tão amigo assim.
Enfim, tenho as minhas tempestades, alguns vendavais, um ou outro tsunami, um terremotozinho aqui..., uma erupçãozinha vulcânica lá..., mas o que predomina em mim é a calmaria, a normalidade, a sensibilidade, os bons sentimentos. Sobre isso, gosto do que disse Schopenhauer: "...Os animais de sangue frio são os únicos que possuem veneno".

Pra quem não é de falar muito se si, terminei por falar demais de mim. Ilógico.

Por que fiz isso? Porque senti uma ilógica necessidade de falar de mim para este "amigo invisível" aqui, porque queria que as pessoas que visitam este blog me conhecessem um pouco, porque ando triste (inferno astral?...), e porque me deu vontade, oras... rs