Detesto que me roubem a solidão sem me dar em troca verdadeiramente companhia. (Friedrich Nietzsche).

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Hiato


Do meu apartamento
olho a chuva na tarde
o vendaval na árvore
o granizo nos telhados

Respiro a tempestade

Ouço um sax
modismo dos noventa

Vôo ao que me inspira
divago...

Dentro de mim
silêncio

Lá fora
a chuva cai

E só
E nada mais.




10 comentários:

  1. oi! bonito poema, simples, coeso. Acho interessantes suas ideias, hehe e também teu blog tem informação demais! mas é legal!

    Sobre a questão dos "Avulsos pós-punk" são o que são, uns versos avulsos em que penso no decorrer do dia e anoto, organizo... o pós-punk é só um adjetivo pra inquietação.

    grande abraço pra você, boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Informação demais... Você acha? Mas não tem nem fundo musical, cursor de estrelinha... Eu, quando vou ao seu blog, levo uma lanterna...
    rsrs...

    Ah... então é isso? (sobre os "avulsos pós punk"), adjetivo para inquietação. Olha, funciona, viu? Gostei.

    Obrigada, Davi.

    beijo.

    ResponderExcluir
  3. Não gosto muito de hiatos, prefiro as junções. Apesar que um hiato durante a chuva é até bonito! Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Gilberto, esse hiato seria um hiato criativo. Apesar do "clima", não vinha inspiração. Ma as boas junções são preferíveis mesmo, concordo.

    Abração.

    ResponderExcluir
  5. Chuva... Há algo mais inspirador? Talvez haja, mas a chuva é a orquestra mãe da imaginação! Perfeito poema! Amei!

    ResponderExcluir
  6. A chuva inspira, seu barulho, suas gotas, seu cheiro... Mas eis que vem um hiato...

    Obrigada, Victor.

    ResponderExcluir
  7. É magnífico respirar a tempestade.

    ResponderExcluir
  8. Adoro as tempestades, Alessandro.

    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Seu texto me fez lembrar de um poema de Fernando Pessoa que gosto um que diz: "O dia deu em chuvoso./A manhã, contudo, esteve bastante azul./O dia deu em chuvoso./Desde manhã eu estava um pouco triste./Antecipação! Tristeza? Coisa nenhuma?/Não sei: já ao acordar estava triste./O dia deu em chuvoso."

    Enfim... Foi só uma lembrança!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Pandora.
      Fico feliz que meus versos tenham feito você se lembrar dos versos de Fernando Pessoa. Te agradeço, sinceramente, por você ter passado por aqui e deixado essa lembrança, que não é "só" uma lembrança, é uma linda lembrança, um gesto muito delicado.
      Sobre o Hiato, eu estava num clima que tinha tudo para inspirar, e aí tentei escrever, mas, hiato ... Enfim, o que me inspirou a escrever esse poema foi justamente a falta de inspiração. rs.

      Muito Obrigada!

      Excluir

Costumo responder aos comentários aqui no blog. Todas as opiniões são bem vindas, e importantes. Gosto de saber das pessoas o que pensam, o que sentem, o que gostam. Você que lê e prefere não se manifestar, quem sabe um dia volte para me dizer algo. Não tenho pressa, eu espero.

Divagar é preciso...